sábado, janeiro 19, 2008

Precurso


Largaste-me sozinho
mas sempre te espero
perdes te o caminho
mas foste sincero
olhei para trás
esperando encontrar-te
onde quer que vás
quero acompanhar-te
no fundo acredito
que nunca estou só
escuto um grito
que vindo do pó
chega do nada
e toca na alma
mostrando a estrada
onde corre a calma
e do que era negro
sei que chegou
meu anjo caído
não me abandonou

1 comentário:

Lviz disse...

devo dizer que este é um dos teus trabalhos que mais gosto... simples, mas muito forte!